Comemorando o Dia Mundial do Autismo, essa história linda e comovente sobre como uma família com muito amor e determinação contornou o autismo de sua cachorra. Já fizemos uma matéria sobre autismo em pets – ele existe!

Relato de Cristiane sobre sua cadelinha autista:

A Vicky Cristina é uma Shi-Tzu muito fofa que começou a fazer parte das nossas vidas quando tinha três meses de vida. No dia em que fomos buscá-la na Pet Shop ela estava muito assustada e tentava fugir dos nossos braços. Desde o inicio mostrou um comportamento diferente dos outros cachorros…ela era “geniosa”, tinha medo de tudo, não gostava de contato visual, colo ou carinho, não interagia conosco, outras pessoas ou cães, às vezes se isolava e muitas vezes a pegamos olhando para o nada.

Além disso, parecia triste e deprimida e tinha um comportamento compulsivo; tinha necessidade de repetir tudo sempre igual. Por exemplo, quando saímos para passear, ela queria fazer o mesmo caminho, só atravessava a rua na diagonal e quando voltávamos para casa tinha que entrar no prédio sempre pelo lado esquerdo. Foi muito difícil e frustrante para a minha filha que ainda era criança e queria ter uma cachorrinha igual a das amigas.

Vicky demonstrava comportamento autista: repetitividade, rotina, não interação com pessoas e animais, não aceitação de carinho.

Vicky demonstrava comportamento autista: repetitividade, rotina, não interação com pessoas e animais, não aceitação de carinho.

Muitas vezes pensamos em doá-la, mas já estávamos apegados demais. Um dia, numa conversa familiar, comentei das características que ela apresentava serem parecidas com autismo. Pesquisei e achei apenas uma matéria que falava sobre autismo em animais. – Recentemente MeuPetEspecial, site que não existia na época, fez uma matéria especial sobre autismo em animais. –  A partir daí, entendendo sua condição, passamos a mudar nosso comportamento com ela e ela começou a responder gradativamente.

Como desistir dessa coisinha linda e especial? Você desistiria de um filho autista? Nós não desistimos da nossa cachorra autista.

Como desistir dessa coisinha linda e especial? Você desistiria de um filho autista? Nós não desistimos da nossa cachorra autista.

Aos poucos ela passou a querer ficar perto de nós, a aceitar carinho, contato visual, a interagir… Hoje ela está com 5 anos e meio e não se assemelha em nada àquela cachorrinha do início. Claro que ela ainda apresenta características do autismo, mas já são quase imperceptíveis.

Vicky ainda tem muitos problemas de relacionamento mas já é uma cachorra bem diferente e amigável!

Vicky ainda tem muitos problemas de relacionamento mas já é uma cachorra bem diferente e amigável!

Ainda bem que não desistimos dela. O amor e a dedicação são capazes de mudanças inacreditáveis.  A matéria que “Meu Pet Especial” postou sobre autismo em animais, só confirmou o que desconfiávamos e nos fez relembrar toda a história da nossa peludinha, que compartilhamos agora com vocês.

Aqui, um video mostrando que Vicky pode se comportar como uma cachorrinha “normal”. No video ela está pedindo a comida dela. Assim como no autismo humano, o autismo animal também tem dieta especial!