Infecção urinária recorrente é muito comum – E PERIGOSA! – em animais com incontinência e/ou paralíticos. Saiba todos os cuidados necessários com seu pet especial para evitar, monitorar e tratar infecções urinárias.

Escrever essa matéria tem uma emoção a mais para nós, e creio que a qualquer pessoa que tenha animal especial em casa. Quem tem animal com incontinência e/ou paralítico sabe que provavelmente ele não partirá pela paralisia, mas problemas em decorrência dela, principalmente infecção urinária.

É um medo comum entre todos nós. Particularmente, para nós é ainda mais emocionante pois Vida acaba de vencer uma gravíssima infecção urinária. Veja a matéria contando!

Animais que perderam o controle da micção – seja pela idade ou por lesão na coluna – tendem a reter mais a urina, eliminar menos vezes ou de maneira incompleta. Por isso tendem a ter mais infecções urinárias. Sabendo disso, a melhor forma de se evitar infecções urinárias é melhorando a eliminação de urina dele. Falar é fácil, né? Mas o uso de diuréticos ou forçar mecanicamente o esvaziamento da bexiga é fundamental nesses casos. Fizemos uma matéria sobre como promover o esvaziamento da bexiga, com um vídeo tutorial. Veja!

O esvaziamento mecânico da bexiga pode gerar grande medo e dificuldade e, por isso, deve ser solicitada a ajuda do seu veterinário de confiança sempre que for necessário, até que você pegue segurança.

De qualquer forma, mesmo fazendo o esvaziamento correto ou tomando diuréticos, as infecções urinárias podem ocorrer. Logo, deve-se ficar atento a possíveis sintomas:

  • Vontade excessiva de urinar (quando ele faz sozinho)
  • Grande volume de urina ou quantidade muito pequena
  • Sede excessiva ou diminuição da sede
  • Dificuldade para urinar (quando ele faz sozinho)
  • Urinar em locais não usuais (quando ele faz sozinho)
  • Incontinência Urinária (quando ele faz  sozinho)
  • Odor e/ou cor diferentes na urina
  • Presença de sangue na urina
  • Perda de apetite
  • Apatia
  • Febre
  • Dor abdominal

O caso da Vida estava tão grave, e a dor era tanta, que ela chegou a vomitar, o que não descrito como um sintoma para infecção urinária. Em realidade, foi o vômito que me fez levá-la ao médico.

Animais especiais como os nossos precisam ser monitorados frequentemente pelo tutor. Fique SEMPRE atento para cor, cheiro e volume de urina. Qualquer alteração deve ser investigada! Infecção urinária não é brincadeira. Melhor investigar logo aos primeiros sintomas. A doença pode evoluir muito rápido!

O diagnóstico é feito por exame de sangue e urina. O tratamento se dá com antibióticos. O uso de antibióticos requer muito cuidado – tanto para humanos quanto para pets. Não é a toa que atualmente os antibióticos tem venda controlada (com retenção de receita).

O tratamento deve ser realizado exatamente como o seu médico mandou, respeitando dosagem, tempo de tratamento e hora de administração. Se o medicamento é de 12 em 12 horas, estabeleça o horário e siga com rigidez. Exemplo: 8 da manha e 8 da noite. O atraso em 1 hora já pode impactar o tratamento.

Além disso, seguir o tempo de tratamento é fundamental. O tratamento com duração errada favorecerá a recorrência da infecção.

Por que estamos chamando tanta atenção para isso? Porque bactérias que causam infecção urinária são potencialmente resistentes! O uso incorreto dos antibióticos pode gerar uma infecção urinária resistente, que não responde aos medicamentos existentes. E infecção urinária pode causar a morte! Não brinque com isso!

Geralmente seu veterinário prescreverá um antibiótico de primeira escolha, de amplo espectro. Esses antibióticos tem ação contra a maioria das bactérias que podem causar infecção urinária. Contudo, a bactéria pode ser resistente. Para isso, recomenda-se que no exame de urina – que será diagnosticada a infecção – peça-se também a cultura e antibiograma. Geralmente quando fala-se “exeme de urina” trata-se de EAS, que indica a infecção mas não diz que bactéria está causando nem se ela é resistente.

A cultura e antibiograma são custosos, aproximadamente 80 reais. Considerando que você já irá gastar com EAS, função renal, hemograma, antibiótico… 80 reais é um custo bem grande a mais! Mas é necessário! Pois o antibiótico de primeira escolha, prescrito emergencialmente pelo veterinário, pode não ter efeito sob a bactéria que está causando infecção no seu pet. Ou seja, ele pode não melhorar ou melhorar e piorar depois. E a piora pode ser bem grave e rápida. Você iria querer voltar no tempo e ter gasto os 80 reais.

Com o resultado da cultura e antibiograma, o tratamento poderá mudar. Mas as orientações continuam: siga corretamente o que o veterinário prescrever.

Dependendo do caso e da evolução da doença o antibiótico pode até mesmo ser injetável e, caso seja necessário, seu pet necessite ficar internado!

Siga corretamente o tratamento. Fique atento para sintomas. Se necessário, faça EAS periodicamente.

Infecção urinária não é brincadeira!!!

dodoi-meupetespecial